Um cão e muitos tutores

A Lei Feliciano Filho (Nº 12.916 de 2008) que deu fim as chamadas “carrocinhas” e passou a proibir a matança indiscriminada de animais, também estabelece a proteção do “cão comunitário”, ou seja, aquele animal que vive na rua, mas é assistido por vários moradores ou comerciantes locais. Esse animal deve ser castrado, vacinado e identificado pelos  CCZ e canis municipais, e devolvido ao seu local de origem – uma grande solução para evitar a procriação desenfreada e, ao mesmo tempo, evitar a superlotação de abrigos e do próprio CCZ. Nega, também conhecida como Nina, é um belo exemplo de cão comunitário, pois, viveu 15 anos na Alesp – Assembléia Legislativa de SP, vindo a falecer este ano. Ela entrou na Alesp para dar à luz a 11 filhotes. Num primeiro momento foi acolhida pelos PMs e em especial pelo Cabo PM Kiyoharu: “Ela foi ficando e se apegando aos PMs, inclusive, acompanhava a ronda noturna se comportando exatamente como um cão policial sem nunca ter sido treinada para isso. Ficava em posição de ataque, mas nada fazia se não recebia um comando”, conta. Certa ocasião chamaram a “carrocinha” para capturá-la e todos sabiam que, naquela época, anterior à Lei Feliciano, sua morte seria certa e dolorosa. Então vários funcionários procuraram o presidente da Alesp, fizeram abaixo-assinado e até o próprio deputado Feliciano Filho chegou a intervir a favor da cachorrinha – que acabou conquistando definitivamente seu espaço na Assembleia, com direito à cama, banho, comida e veterinário. nega4 “Ela pegava duas salsichas diariamente numa kombi que vendia lanches e entregava uma delas na boca de outro cachorrinho que passou a frequentar a Alesp, o Neguinho. Era emocionante ver a amizade dos dois”, conta Feliciano. Segundo Vitória Frugoli, primeira-secretária da Aspal – Associação dos Servidores Aposentados e Pensionistas da Alesp, Neguinho, também conhecido por Tico, era de um carroceiro que o amarrava numa grade e batia nele com pau. “Então os PMs da Alesp avisaram que tirariam o cachorro dele se aquela crueldade continuasse, e assim foi. No entanto, Tico nunca permitiu nossa aproximação ou qualquer agrado. Ele era bastante traumatizado”, conta. Vitória também cuidava da Nega e fazia suas roupinhas, incluindo capa de chuva para as rondas noturnas: “Ela era muito inteligente. Tomava elevador sozinha e descia exatamente no andar dos PMs. Ficava esperando o elevador abrir, entrava e descia no andar correto”, conta emocionada com a perda da companheirinha de tantos anos. Negão virou segurança de condomínio negao A jornalista Juliana Menezes, de SP, cuida do Negão, um simpático vira-lata de 16 anos. “Moro em um condomínio no bairro de Santana com 10 prédios e o Negão vive nos fundos. Ele chegou na construção com os pedreiros e tinha uma outra cachorrinha, a Neguinha, que foi doada para um amigo meu de faculdade, pois, era muito brava e atacava alguns moradores. Já o Negão é tranquilo, adora crianças, os moradores, e passeia comigo sempre na praça próxima ao prédio”, relata. Segundo a jornalista, Negão é um cão grande, com 30 kg, mas muito calmo e bem conhecido no bairro: “Estamos tratando dele há 9 anos. Seu tamanho impressiona, mas é muito manso. Para se ter uma ideia, ele divide a ração com uma pombinha que é amiga dele. Ele só não gosta de outros cães. Se algum cachorro de rua se aproxima do condomínio ele ataca para defender a casa dele. É como um cão comunitário que faz a segurança do prédio”.  Negão recebe ração e cuidados veterinários rateados entre Juliana e outros dois vizinhos.



Translate