Deputado apura denúncias de maus tratos aos animais de Itapeva

Deputado apura denúncias de maus tratos aos animais de Itapeva

Captura indiscriminada de animais das ruas, ausência de atendimento veterinário, descuido com as necessidades básicas de alimentação, água e limpeza. Estas foram algumas das denúncias recebidas pelo deputado Feliciano Filho sobre a situação dos animais da cidade de Itapeva, localizada a 280 km da capital paulista. Para investigar o caso, o parlamentar designou dois assessores que acompanharam a situação local pelo período de um mês.

A primeira visita aconteceu no dia 20 de janeiro. Na ocasião, a equipe foi ao “canil municipal”, que opera no interior de um sítio da Prefeitura, sob responsabilidade do secretário de Agricultura, Cassiano Toffoli de Oliveira. Segundo relato dos assessores de Feliciano, o local estava em condições precárias de higiene e os animais não tinham acesso à água e comida. Mais agravante do que estes fatos, os assessores informaram que havia um cão com ferimento exposto na pata, sem dispor de atendimento veterinário. “O caseiro que tomava conta do local disse que a Prefeitura não designou nenhum veterinário para ser responsável pelo canil”, declara a assessoria.

Os representantes de Feliciano testemunharam o descuido em que se encontravam os animais. “Eles estavam todos misturados, independente de sexo, idade e estado de saúde. Além disso, nenhum animal estava castrado, vacinado ou vermifugado”, confirma a assessoria.

Após a visita dos assessores do deputado, o canil recebeu uma liminar na Promotora de Justiça, que acompanha o caso no Ministério Público. Por exigência judicial ficou determinada a obrigatoriedade imediata de atendimento veterinário no local, bem como a castração e identificação de todos os animais do canil.

Os assessores acompanharam o desenvolvimento das mudanças nas semanas seguintes. O canil implementou o modelo de captura seletiva, que inclui apenas animais doentes, vítimas de acidentes e mães com filhotes. Além disso, ficou determinada a parceria com clínicas veterinárias para procedimentos de castração e atendimento. Protetores de animais da cidade também ficaram autorizados a entrar no local.

Os representantes de Feliciano retornaram ao “canil municipal” no dia 22 de fevereiro. Na ocasião foi verificado o cumprimento da legislação. As visitas do veterinário, porém, não estavam sendo realizadas com a freqüência determinada, visto que foi encontrada uma cachorra doente e caquética no local. A assessoria do deputado encaminhou prontamente o animal à uma clínica veterinária e a Prefeitura vai arcar com os custos do tratamento.



Traduzir