banner site novo
banner site novo
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
DEPA
DEPA
DEPA

publicado em 9 de dezembro de 2015

O trabalho em favor da Proteção Animal

Na maioria das vezes voluntariamente, o protetor fiscaliza, resgata, cuida, conscientiza, somente com o interesse de preservar e ajudar

A proteção animal, aliada a políticas de preservação, tem papel fundamental para reduzir o impacto da extinção das espécies, evitar abandonos e maus tratos. Exercida de forma voluntária, a atividade do protetor animal abrange fiscalização, resgate, cuidados veterinários, conscientização, além de promover inúmeras outras ações apenas com o interesse de preservar e ajudar.

O exercício de iniciativas locais auxilia também na promoção da saúde pública, à medida em que evita o abandono e cuida para manter o bem-estar dos animais domésticos.

“O empenho dos protetores animais, na maioria das vezes uma dedicação voluntária, promove exemplos como o da cidade de São Paulo, onde a estimativa de vida de um cão saltou de nove para dezoito anos em uma década”, aponta o protetor e deputado estadual Feliciano Filho (PEN), que há 16 anos trabalha exclusivamente pela causa.

Ações individuais, programas de acolhimento, tratamento e adoção, além de legislações específicas voltadas ao bem-estar animal, têm ampliado os cuidados às espécies. E isso não se resume aos animais domésticos. Há um número crescente de Organizações não Governamentais (ONGs) que se dedicam à população de animais exóticos e silvestres, que são resgatados pelos órgãos de fiscalização e, por terem ficado tanto tempo em cativeiro, não podem mais ser devolvidos à natureza e necessitam de abrigo permanente.

“É um trabalho árduo, dispendioso e, muitas vezes, pouco reconhecido. Os protetores dedicam tempo e recursos nessas atividades, vão desde o transporte de resgatados, medicamentos, lares temporários, atendimento veterinário, até esforços de conscientização”, descreve Feliciano. “O trabalho de proteção animal é, portanto, uma ferramenta essencial para a preservação das espécies, seja no âmbito local ou global. Aliados aos órgãos de fiscalização e controle, ampliam a margem de ação de todo o sistema de conservação do meio ambiente”.

“Os protetores e protetoras são representantes de vários segmentos da sociedade. É deles a missão de ensinar a população a respeitar outras formas de vida, conscientizando-a de que existem leis que consideram crime os atos de crueldade e maus tratos, contribuindo, significativamente, para a formação de uma população mais atuante, consciente de seu papel como agente de proteção, responsável e solidária”, conclui.

TRABALHOS EXEMPLARES

Feliciano Filho defende que a preocupação com o bem estar animal é uma ação de saúde pública e, por isso, essa plataforma é tão importante e significativa para a população. “A medida em que legislamos pelo bem estar animal e seu tratamento adequado, reduzimos o abandono, a transmissão de doenças, ampliamos a assistência aos menos favorecidos e auxiliamos as entidades protetoras a realizarem seu trabalho com mais tranquilidade. Além disso, as ações se estendem à preservação das espécies, quando alcançam iniciativas que auxiliam na proteção de animais silvestres e exóticos, assim como a promoção da conscientização”, explica.

O Rancho dos Gnomos, em Cotia, na região da Grande São Paulo, é um exemplo de trabalho dos voluntários em defesa dos animais. A instituição recebe animais silvestres e exóticos apreendidos pelo Ibama e pela Polícia Ambiental, que são tratados e recuperados para reinserção na natureza. Por vezes, entretanto, isso não é possível e há necessidade de abrigá-los nas instalações do Santuário.

De acordo com o fundador da instituição, Marcos Pompeu, atualmente são cerca de 320 animais vivendo no local, entre leões, onça parda, macacos, veados-catingueiros, gatos-do-mato, jaguatiricas, bichos-preguiça, lontras, emas, mutuns, araras, papagaios, jabutis, equinos, suínos, roedores, cães e gatos. Em um espaço de 34 mil metros quadrados, opera com 12 colaboradores, além de seus fundadores, o casal Marcos e Sílvia Pompeu.

(foto: Feliciano resgatando cãezinhos abandonados no aeroporto de Guarulhos)

Nome Completo (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Depoimento