banner site novo
banner site novo
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
DEPA
DEPA
DEPA

publicado em 5 de julho de 2018

O PL dos Bois vai à votação nesta quinta-feira

O PL 31 ou PL dos Bois, como ficou conhecido, do deputado estadual Feliciano Filho, que proíbe o embarque de animais vivos para fins de abate pelos portos de SP, venceu mais uma importante etapa e irá para votação nesta quinta-feira. Na quarta, dia 4, o PL recebeu parecer favorável das comissões de Meio Ambiente e Finanças, e conseguiu ter sua urgência aprovada.

Feliciano Filho salienta que, além da inegável questão de maus-tratos, existem fortes razões econômicas para esse tipo de atividade ser extinta: “Com a exportação de animais vivos o estado perde dinheiro porque a atividade não paga impostos e, com isso, a sociedade também não é beneficiada. A atividade gera emprego lá fora em detrimento da mão de obra dentro do país. E até setores como o de frigoríficos já se posicionou contra também devido a falta de insumos necessários para as indústrias calçadistas, farmacêuticas e graxarias, entre outras. Não podemos esquecer também o prejuízo ambiental. O Brasil fica com o ônus e os exportadores com o bônus”.

Cerca de 300 ativistas lotaram mais uma vez a Alesp – Assembleia Legislativa de SP nesta quarta para defender o PL 31 que já teve sua votação adiada por duas vezes. No dia 26 de junho, deputados contrários ao PL fizeram longos discursos para esgotar o tempo disponível para a votação. E na última terça, dia 3, a morte de um ex-deputado derrubou novamente a votação já que a Alesp, por regra, não encaminha trabalhos nessas ocasiões.

Em ambas as ocasiões os ativistas compareceram em peso e percorreram os gabinetes a fim de convencer os deputados a votarem favoravelmente ao PL dos Bois. O movimento a favor do PL 31 vem crescendo desde a partida do navio NADA, do porto de Santos em fevereiro, quando fotos, vídeos e laudos veterinários provaram as péssimas condições em que os animais são transportados desde quando saem da cidade de origem até o país de destino onde são mortos de forma cruel, diferentemente do sistema legalizado no Brasil onde os animais precisam ser insensibilizados.