Nova York anuncia programa piloto da Segunda Sem Carne para combater Aquecimento Global e Obesidade | Feliciano Filho - Proteção animal
banner site novo
banner site novo
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
DEPA
DEPA
DEPA

publicado em 6 de novembro de 2017

Nova York anuncia programa piloto da Segunda Sem Carne para combater Aquecimento Global e Obesidade

Feliciano Filho – Proteção Animal

O prefeito de Nova York Bill de Blasio anunciou no final de outubro o lançamento de um programa piloto da Segunda Sem Carne em 15 escolas do Brooklyn. Começando ainda este ano, as escolas servirão café da manhã e almoços exclusivamente vegetarianos todas as segundas para 7.500 estudantes. Os menus serão variados e atrativos para as crianças.

Mais de 300 mil refeições serão servidas somente este ano, dentro do programa. Isso não apenas salvará a vida de milhares de animais do extremo abuso e negligência a que estão submetidos nas granjas, abatedouros e frigoríficos como também levará aos alunos os princípios de uma alimentação saudável, humana e sustentável.

Os próprios estudantes fizeram campanha por esse programa (foto). A expectativa é que ele se expanda por este que é o maior distrito escolar dos EUA, alimentando quase um milhão de crianças todos os dias.

“Nós entendemos que existe uma crise climática e uma crise de obesidade”, disse o prefeito. “Ambas as crises podem ser enfrentadas ao adotarmos uma dieta baseada em vegetais.” Ele, sua família e todos os eventos da prefeitura também adotarão a Segunda Sem Carne.

Em SP, tramita na ALESP o PL 87/2016, de autoria do deputado Feliciano Filho, que institui a Segunda Sem Carne em restaurantes, lanchonetes, bares, escolas, refeitórios e estabelecimentos similares que exerçam suas atividades nos órgãos públicos do Estado.

“O objetivo é chamar a atenção da sociedade para as consequências do consumo de carne e de seus derivados, relacionando tal questão diretamente aos direitos dos animais, à crise ambiental, ao aquecimento global, à perda de biodiversidade, às mudanças climáticas e às diversas doenças que afligem a população humana, incluindo doenças cardiovasculares, doenças crônicas degenerativas, colesterol elevado, diversos tipos de câncer e diabetes”, comentou Feliciano Filho.

(com informações da ong Mercy For Animals)