banner site novo
banner site novo
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
DEPA
DEPA
DEPA

publicado em 17 de abril de 2017

Lei Feliciano completou 9 anos no dia 17 de abril

Conheça os episódios que culminaram na aprovação da Lei Feliciano, que proíbe a matança de animais pra fins de controle populacional e configurou-se em um ato histórico, divisor de águas e verdadeira mudança de paradigma, proibindo uma prática arcaica, ineficaz e desumana

O deputado estadual Feliciano Filho, autor da Lei Feliciano (Nº 12.906/2008), conta que já nasceu protetor de animais: “Durante toda a minha vida fiz muitos resgates, porém, alimentava o sonho de realizar um trabalho maior, que atingisse as causas do problema, mas como eu trabalhava muito fui adiando este sonho! Mas no dia 17 de abril de 2001 o desaparecimento de minha cachorrinha Aila me fez ir até o CCZ de Campinas (SP) à procura dela. Quando lá cheguei, tinha por volta 200 cães! Não havia água ou comida para os animais e eles já estavam praticando canibalismo, se matando e se comendo, no meio das fezes!”

Naquele tempo, os animais de vários CCZs e canis municipais, eram enviados a universidades para servirem de cobaias ou mortos em câmara de gás, com choque elétrico, a pauladas etc. “Fiquei tão horrorizado com o que vi que, naquele momento, prometi que daquele segundo em diante dedicaria o resto da minha vida aos animais e lutaria para acabar com as mortes nos CCZs. O primeiro passo foi logo no dia seguinte, em 18 de abril. Consegui lacrar a câmara de gás do CCZ de Campinas e fazer um acordo com a diretoria”, continua o deputado.

Feliciano então se dispôs a fazer feiras de adoção para salvar aos cães mantidos no local.  Durante meses mergulhou num trabalho intenso, com a ajuda de voluntários: “Foi um movimento forte e inédito pelos animais. Deu muita repercussão. Todo mundo queria ajudar e, de fato, milhares de vidas foram salvas”, conta.

Mas um dia o deputado foi informado que o CCZ, teria rompido o nosso acordo e sacrificaria dezenas de animais. “Corri para lá e antes de entrar na sala onde matavam os animais, me deparei com vários corpos no freezer. Na sala já havia um cãozinho morto e outro imobilizado na mesa e o veterinário com uma seringa nas mãos prestes a injetar em sua veia! Cheguei no momento exato, pois 5 segundo depois, já não teria conseguido salvá-lo! Sob muita tensão consegui brecar o procedimento. Falei que estava agindo dentro da lei ao defender aqueles animais e que não sairia da sala enquanto os veterinários e o cãozinho não saíssem também. E assim foi feito!”, relembra.

Feliciano adotou o cãozinho e batizou-o de Save, uma referência ao verbo “salvar” em inglês. “Ele ficou muito traumatizado e foi preciso muito carinho para a sua recuperação. Save viveu por mais 10 anos e tornou-se o símbolo da luta contra a matança indiscriminada nos CCZs e canis municipais”, conta.

O fim do extermínio em todo o Estado de SP

No dia 17 de abril de 2008 foi publicada a Lei 12.916/2008 (Lei Feliciano) que passou a proibir a matança indiscriminada de animais como forma de controle populacional pelos Centros de Controle de Zoonoses (antigas Carrocinhas) e canis municipais.

“Por uma feliz coincidência (ou sinal) foi também em uma data de 17 de abril que fiz minha promessa de vida de acabar com a matança nos CCZs. Hoje faz 16 anos que olhei nos olhos daqueles cães que estavam no CCZ de Campinas, empoleirados nas grades, e o olhar deles dizia ‘Você é a nossa última esperança, tire-nos daqui!’. Foi uma luta muito árdua, mas valeu a pena”, conta.

A Lei Feliciano também protege os “Animais Comunitários” lembrando que “cão ou gato comunitário” é aquele que estabelece com a comunidade laços de dependência e manutenção, embora não possua responsável único e definido, e, desde 2008, só podem ser recolhidos para esterilização e registro, devendo ser devolvidos aos locais de origem.

A Lei Feliciano já foi reproduzida em 20 Estados. Inclusive, está de acordo com o que é preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), ou seja, que a castração de animais de rua é a melhor forma de controle populacional.

Conheça a Lei Feliciano e defenda os animais de rua exigindo seu cumprimento: http://felicianofilho.com.br/leis/lei-no-12-916-de-16042008-lei-feliciano-dispoe-sobre-o-controle-da-reproducao-de-caes-e-gatos-e-da-providencias-correlatas/

Nome Completo (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Depoimento