19369381_1389010344514647_152798619_o
19369381_1389010344514647_152798619_o
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 03 editado
banner 03 editado
banner 03 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado

publicado em 20 de fevereiro de 2017

Bombeiros de Diadema aderem à “Segunda Sem Carne”

Carne de soja, legumes refogados, salada de batatas, arroz e feijão. Esse passou a ser o almoço dos bombeiros do Posto de Diadema as segundas-feiras.  A ideia partiu do próprio tenente comandante do Posto, Felipe Pinholi, que é um amante e protetor de animais, ao tomar conhecimento da “Segunda Sem Carne”, proposta pelo deputado estadual Feliciano Filho por meio do Projeto de Lei 87/2016.

“Achei que seria uma boa oportunidade de motivar os colegas de trabalho a também experimentarem uma refeição vegetariana. A empresa que faz nossas refeições adequou o cardápio. No primeiro dia os bombeiros provaram a carne de soja e acreditaram ser carne animal. Todos aprovaram”, conta.

SEGUNDA SEM CARNE (14 de 16)

O comandante Felipe diz que despertou para o vegetarianismo depois que passou a conviver com animais mais de perto: “Tudo começou quando eu era policial militar e socorri um cachorro que foi ferido com óleo quente, o Tobias. Ele não tinha dono, então cuidei dele e está comigo até hoje. Depois resgatei a cadelinha Michoca e ajudei vários cães abandonados em Mairiporã, onde comecei a atuar como bombeiro. Esse contato próximo com os cães me fez pensar na vida como um todo e me motivou a aderir a uma alimentação vegetariana”.

A “Segunda Sem Carne” ou “Meat Free Monday” é uma campanha internacional que teve início com ex-beatle Paul McCartney em 2008, mas o movimento “Meatless Monday” surgiu antes, em 2003, nos Estados Unidos, visando poupar o sofrimento dos animais que são abatidos para consumo e também para combater o aquecimento global. Atualmente 35 países já possuem ações voltadas para a Segunda Sem Carne.

O PL 87/2016 institui a “Segunda Sem Carne” em restaurantes, lanchonetes, bares, escolas, refeitórios e estabelecimentos similares que exerçam suas atividades nos órgãos públicos do Estado de São Paulo. Esses estabelecimentos deverão obrigatoriamente fixar em local visível ao consumidor um cardápio alternativo sem carne e seus derivados.

“O objetivo é chamar a atenção da sociedade sobre as consequências do consumo de carne e de seus derivados, relacionando tal questão diretamente aos direitos dos animais, à crise ambiental, ao aquecimento global, à perda de biodiversidade, às mudanças climáticas e às diversas doenças que afligem a população humana, incluindo doenças cardiovasculares, doenças crônicas degenerativas, colesterol elevado, diversos tipos de câncer e diabetes”, comenta o deputado.

Segundo um estudo da Orga­nização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), as emissões de gases de efeito-estufa – como o dióxido de carbono, o metano e o óxido de nitrato – associadas à cadeia de produção da carne, representam um quinto das emissões totais mundiais.  “Cerca de 18% das emissões provêm do desmatamento para a criação de pastagens, do transporte da carne, do processamento industrial do alimento e do sistema digestivo dos bovinos”, diz Feliciano Filho.

Mascotes do Corpo de Bombeiros de Diadema

SEGUNDA SEM CARNE (16 de 16)

Além da “Segunda Sem Carne”, o Posto de Bombeiros de Diadema tem vários mascotes. A Estopinha, por exemplo, foi resgatada de um córrego num dia de enchente. “Hoje ela faz parte do efetivo, assim como o Maisena, um cachorrinho que adotamos. E tem ainda a Frajolinha, uma gatinha que também acabou ficando conosco. Já cuidamos ainda de coelho e jabuti”, conta o tenente comandante Felipe Pinholi.

Ele explica que o dever dos bombeiros é salvar vidas e por isso faz parte da rotina deles ajudar animais que estejam em risco de vida como no alto de árvores, postes, córregos, ilhados devido a enchentes, presos em bueiros e diversas outras situações. “O verdadeiro bombeiro preza pela vida de todos, humanos e animais. Mas o problema surge após o salvamento, pois, não temos para onde levar o animal de rua e, muitas vezes, ele precisa de atendimento médico emergencial. Aqui no Posto de Diadema a gente salva e faz o que pode pelo animal”, diz.

 

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Depoimento