banner site novo
banner site novo
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 04 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
banner 01 editado
DEPA
DEPA
DEPA

publicado em 12 de junho de 2018

“A vida não pode esperar, o sofrimento não pode esperar!”

Deputado Feliciano Filho (PRP) subiu à tribuna da Alesp ontem, 12 de junho, para fazer apelo ao governador de SP em favor dos bois exportados vivos

Autor do Projeto de Lei 31/2018, que visa proibir exportação de animais vivos para fins de abate, Feliciano Filho ressaltou que é preciso acabar com o sofrimento a que são submetidos os animais exportados de navio o mais rápido possível: “Faço um apelo ao governador. Acredito que por sua sensibilidade ele possa sensibilizar o secretário da Agricultura que está pedindo para que os deputados da sua base segurem o PL 31. Estão pedindo para adiar, mas a vida não pode esperar, o sofrimento não pode esperar”.

Aliás, no dia 14, próxima quinta-feira, haverá uma ação mundial conjunta, em mais de 30 países e em dez cidades do Brasil, contra a exportação de gado vivo. E esse mês, inclusive, mais uma cena chocante provou o quanto o transporte de animais vivos por vias marítimas é angustiante. Bois caíram de um navio ainda atracado no Porto de São Sebastião e outro boi se jogou da embarcação numa tentativa desesperada de escapar da morte.

Feliciano resumiu o processo de exportação: “Os bois passam de 12 a 17 horas na estrada, dentro de caminhões, em pé, para chegarem aos portos de SP.  Exaustos e sem força ainda recebem choques para subirem nos navios. Uma vez embarcados chegam a ficar 5 a 7 dias com fezes até os joelhos porque os navios são limpos somente a cada cinco dias e somente em alto mar – o que também causa um problema ambiental grave. O local insalubre impede que descansem e respirem direito. Quando adoecem ou quebram as pernas, segundo relatos, são jogados ao mar. É esse o prêmio que recebem depois de tanto sofrimento”.

Os que sobrevivem a essa maratona de dor terminam no método halal que não insensibiliza os animais, ao contrário do que determinam as leis brasileiras de abate. “Até mesmo quando um criminoso é deportado é preciso seguir as leis brasileiras, então os animais também deveriam ser insensibilizados na hora do abate em outro país. Por isso tudo precisamos aprovar o PL 31 rapidamente”, concluiu o deputado.

Confira na íntegra o PL 31/2018

http://felicianofilho.com.br/leis/projeto-de-lei-que-proibe-no-estado-de-sao-paulo-o-embarque-de-animais-vivos-no-transporte-maritimo-e-fluvial-com-a-finalidade-de-abate-para-o-consumo/