A importância de Adotar e não Comprar

A população de cães e gatos no Brasil é a segunda maior do mundo com 76 milhões desses animais. Perde apenas para os Estados Unidos que já conta com mais de 100 milhões de animais. Segundo o IBGE são 55 milhões de cães e 21 milhões de gatos domiciliados. A procedência é a seguinte: 36,6% foram presente, 29,4% provenientes de adoção, 23,6% de compra e o restante por outros fatores.   6b327f7e35187c0000fda78839bc7ba5 “Embora os animais adotados estejam, em número, um pouco à frente dos comprados, a triste realidade dos cães e gatos criados meramente para procriação persiste. Não raro são descobertos criadouros em péssimas condições, com animais mantidos em gaiolas, passando fome, sem cuidados veterinários e uma série de abusos”, comenta o Deputado Estadual Feliciano Filho que é absolutamente contra a venda de animais. Vale lembrar que, ainda que as fêmeas sejam mantidas em condições adequadas de higiene, espaço e cuidados veterinários, à medida que envelhecem são descartadas, abandonadas e mortas por vários criadores. Isso sem falar no trauma frequente vivido por elas e os filhotes com separações bruscas. Muitos filhotes sequer convivem com as mães nas primeiras semanas de vida. São colocados para mamar e em seguida retirados impedindo um contato natural e fundamental para o desenvolvimento emocional do filhote. nairsouza3 A balconista Nair Souza, de Pedregulho (Interior de SP), se diz feliz em preferir adotar que comprar. Ela tem sete animais tirados das ruas (seis cachorros e uma gatinha) e, inclusive, uma cachorrinha que fica durante o dia na loja em que ela trabalha e à noite na casa vizinha, ou seja, arranjou abrigo até para aquela que não pôde levar para casa. Graças ao coração de Nair, hoje Pretinho, Princes, Nik, Luma, Lesse e Amarelo têm um lar. Ela diz: “Trato todos como filhos e parabenizo o deputado Feliciano Filho pelo lindo trabalho sempre protegendo os indefesos. Ele faz seus eleitores se sentirem realizados”. adriana-alves Da mesma opinião é a dona de casa Adriana Alves, de SP, que adotou as gatas Lili e Lorde: “Tirei-as da rua. Amo muito as duas e são como minhas filhas”, comenta. renata A professora Renata Napchan, de Guarulhos, adotou duas cachorrinhas: “São nossos amores. Adotei a Crystal no Natal de 2011. Fui buscá-la em uma Ong, meu presentinho de Deus! Chegou com muitos probleminhas, mas fui cuidando dela com muito amor e a curei. A Esmeralda, a nossa salsichinha linda, é também muito amada. Sou totalmente contra comprar animais em canis por vários motivos mas, principalmente, porque existem vários cachorrinhos e gatinhos precisando de amor de uma família”. Ela é categórica: “Comprar? Nem pensar! Adotar? Com certeza!” gerson O analista contábil Gerson Ferrari, de Limeira (Interior de SP) tem três cães (Theozinho, Nany e Aninha) e o gato Lemão, todos adotados: “Tirei todos da rua, sem contar os da chácara do meu sogro, também adotivos, a Darinha, o Dexter e o Pirata. Todos muito amados. Ridículo quem compra um animal, quando tem tantos pelas ruas e pelas zoonoses do país clamando por um dono e um lar”.



Translate